Bem-vindo a Mãoposta.

Você sempre diz que sabe lidar muito bem com seus medos e problemas, e, por ironia, são eles que te engolem todos os dias. Não deixe de ler nossos textos. Esperamos que se identifique.

ELE ESTÁ SE DISTANCIANDO AOS POUCOS

Ele não te pertence mais. Mesmo estando ao teu lado, ele já sumiu. Você enxerga ele, sim, e vocês se amam. Até existem momentos em que vocês sorriem por estarem perto um do outro; se declaram, as mãos atadas, mas não é como se ele realmente estivesse aí com você. A gente sente quando o outro se ausenta, ainda em presença. Ele se torna opaco, feito neblina — ao encostarmos a mão para sentir, não tocamos em nada além do seu vazio. Emurchece, perde a cor...


                Torna-se coisa nenhuma. E você sabe que isso está acontecendo.

                Só está com medo de admitir.

                Vocês não são amantes, amigos ou conhecidos, mas um grande e doloroso ponto de interrogação. Tudo começou quando ele ficou sem tempo. Celular desligado. Nas poucas vezes em que vocês conversaram, ele foi frio, insensível, tão frustrado, tendo a preocupação de responder apenas àquilo que você perguntava. Quando ele te toca em raros momentos, você sente a hesitação — é como se ele estivesse fazendo algo que vai contra tudo o que ele quer. Você ver que é difícil pra ele.

                E isso te destrói. Você acha que você é o problema.

                No sexo, ele entra, mora um pouco e prontamente saí de dentro de você. E nas horas que você sente que é elevada ao ápice — uma ponta de extremo prazer que somente ele te faz atingir —, tudo acaba. Ele se deita no seu lado do colchão, te deixando virada para cima de pernas abertas... quentes como às dobras de vulcão; seu clitóris excitante com indícios de um gozo que não teve tempo de vir. Você observa o teto, e enquanto ele adormece, tão rápido após sua obrigação de macho, você, fêmea, se desfaz. Você se sente uma carcaça usada. Tudo...

                Menos uma mulher.

                Ele passou a não falar mais sobre sua vida. E hoje, você, maníaca e já com o psicológico arruinado, acompanha ele através das redes sociais, igual o que as outras fazem. Atualiza o Instagram a cada hora pra ver se tem atualização nova de storie; olha na busca do Facebook pra checar as fotos recentes que ele curtiu; luta contra o desejo fulminante de mandar mensagem, quando vocês ainda nem terminaram. Ele te tornou igual, não é diferente pra ele falar com você ou com elas.

                Estar com você ou estar com elas.

                Estou te avisando isso... na verdade, reavendo pra você — porque você já sabe de tudo isso que estou falando, mas se recusa a acreditar; se recusa a aceitar que vocês dois juntos não são mais uma opção —, pra que você pule fora antes que a sua alma seja arrebentada. Ele não te dá mais afeto, nem mais esmolas disfarçadas de carinho. Ele se trancou dentro dele mesmo, pôs uma fechadura inacessível e te largou do lado de fora. Sem chaves. Bastou-se. E você?

                Você está definhando.

                Ele é tudo que você tem.

                A verdade é que você nunca precisou tanto dele como agora — do toque dele, da fala, da presença para te acalmar após o pânico do dia-a-dia. Você vem quebrando as unhas inúmeras vezes arranhando a porta do coração dele em busca de atenção, e ele não se importa.

                Não vai demorar muito, e ele preferirá não ficar mais, e te deixará com saudade de um amor que, só depois de tanto tempo e tanta dor, você perceberá que nunca existiu. Hoje em dia não é mais a distância que separa vocês, mas, sim, a frieza, a falta de diálogo, de atenção, a indiferença, o tanto faz. Isso, sim, formou esse abismo que há entre vocês.

                Se você não der um basta nisso primeiro, ele partirá e você ficará:

                Uma iludida, uma amante...

                sob os seus próprios escombros.


Eu também posto textos e frases no meu Instagram: @hallefemanuel (https://www.instagram.com/hallefemanuel/)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.